Presidente Judas: Cadeira de espinhos era uma das torturas mais cruéis 

presidente Judas a cadeira de tortura

Hoje, a tortura é considerada um crime bárbaro, não importa quem o cometa. Mas ao longo da história, era usada como exemplo a possíveis criminosos ou punição por faltas consideradas graves. A cadeira de espinhos, conhecida também como Presidente Judas, era um dos métodos mais cruéis. 

A temida cadeira era usada nas masmorras, durante a idade média. Podia ser usada para matar, mas também era utilizada para mutilar gravemente. Até o século 18, ainda era utilizada na Europa, mostrando que a civilidade humana é só uma ilusão. 

Presidente Judas

O método brutal é autoexplicativo. O torturado era amarrado em uma cadeira coberta de espinhos de metal afiados. As pontas perfuravam toda a superfície do corpo da vítima. As feridas, claro, costumavam ser mortais. Isso, pois vasos, artérias e veias eram rasgados durante o processo. 

Presidente Judas: a cadeira de tortura infernal 

E não acaba por aí, pois a coisa ainda ficava pior, dependendo da modalidade usada pelos torturadores. Tanto a cadeira quanto as pontas eram feitos de metal. Sendo assim, ainda havia a possibilidade de aquecer a cadeira com fogo debaixo dela.  

Enfim, o torturado era perfurado e queimado ao mesmo tempo. As feridas eram infligidas e cauterizadas continuamente em um processo de agonia mortal. É algo que, sem dúvida, afasta as pessoas do que é chamado de humanidade. 

As cadeiras de espinhos tinham compartimentos para que o fogo causasse os efeitos mais agonizantes. Quem tiver a oportunidade de ver uma dessas em um museu, por exemplo, e analisar os detalhes, entenderá o quão cruel era essa tortura.

métodos de tortura cadeira presidente Judas

Mais curiosidades: 

Sonhar com cachorro: Os significados por trás dos sonhos com cachorros 

Homem sobreviveu após ser engolido e cuspido por baleia 

O mistério do Olho do Saara – Uma das formações mais lindas do mundo 

     

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.