A resposta de Albert Einstein quando perguntado se ele acreditava em Deus

A resposta de Albert Einstein

Quando Einstein discursava em uma universidade, a pergunta recorrente que os alunos faziam era:

– Você acredita em Deus? 
E ele sempre respondeu: 
-Eu acredito no Deus de Spinoza.

Quem não leu Spinoza ficará surpreso. Baruch de Spinoza foi um filósofo holandês considerado um dos três grandes racionalistas da filosofia do século XVII, junto com o francês Descartes.

O Deus ou a Natureza de Spinoza teria dito, nas palavras de Anand Dilvar : 

“Pare de estar rezando e batendo no seu peito! O que eu quero que você faça é sair para o mundo para aproveitar sua vida. 
Quero que você aproveite, cante, divirta-se e aproveite tudo o que fiz por você.

Pare de ir a esses sombrios templos, escuros e frios que você construiu e diz que são minha casa. Minha casa fica nas montanhas, nas florestas, nos rios, nos lagos, nas  praias. É onde eu moro e lá eu expresso meu amor por você.

Pare de me culpar por sua vida miserável; Eu nunca lhe disse que não havia nada de errado com você ou que você era um pecador, ou que sua sexualidade era algo ruim. 

Sexo é um presente que eu te dei e com o qual você pode expressar seu amor, seu êxtase, sua alegria. Então não me culpe por tudo que você foi levado a acreditar.

Pare de ler alegadas escrituras sagradas que nada têm a ver comigo. Se você não pode me ler de madrugada, em uma paisagem, nos olhos de seus amigos, nos olhos de seu garotinho … 
Você não vai me encontrar em nenhum livro! 
Confie em mim e pare de me perguntar. Você vai me dizer como fazer o meu trabalho?

Pare de ter tanto medo de mim. Não te julgo, não te critico, não fico com raiva, não me incomodo, não castigo. Eu sou amor puro

Pare de me pedir perdão, não há nada para perdoar. Se eu fiz … Eu estava cheio de paixão, limitações, prazeres, sentimentos, necessidades, inconsistências livre vontade … Como posso culpar você se você responder a algo que eu colocar em você? Como posso te punir por ser do jeito que você é, se eu sou o único que te fez? Você acha que eu poderia criar um lugar para queimar todos os meus filhos que se comportam mal, pelo resto da eternidade? Que tipo de deus pode fazer isso?

Esqueça qualquer tipo de mandamento, qualquer tipo de lei; Esses são truques para manipulá-lo, controlá-lo, que só criam culpa em você.

Respeite seus colegas e não faça o que você não quer para você. A única coisa que peço é que você preste atenção em sua vida, que seu estado de alerta é o seu guia.

Minha amada, esta vida não é um teste, nem um passo, nem um passo na estrada, nem um ensaio, nem um prelúdio para o paraíso. Esta vida é a única coisa que está aqui e agora e a única coisa que você precisa.

Eu fiz você absolutamente livre, não há recompensas ou punições, não há pecados ou virtudes, ninguém carrega um marcador, ninguém mantém um registro. 
Você é absolutamente livre para criar um paraíso ou um inferno em sua vida.

Eu não posso te dizer se existe alguma coisa depois desta vida, mas posso te dar um conselho. Viva como se não existisse. Como se esta fosse sua única chance de desfrutar, amar, existir.

Então, se não houver nada, então você terá desfrutado da oportunidade que eu lhe dei. E se houver, tenha certeza de que não vou te perguntar se você se comportou bem ou mal, eu vou te perguntar Você gostou? … Você se divertiu? O que você mais gostou? O que você aprendeu?

Pare de acreditar em mim; acreditar é supor, imaginar, imaginar. Eu não quero que você acredite em mim, eu quero que você me sinta em você. Eu quero que você me sinta em você quando você beija sua amada, quando você veste sua filhinha, quando você acaricia seu cão, quando você se banha no mar.

Pare de me elogiar, que tipo de egomaníaco Deus você pensa que sou? 
Me entorpece que eles me elogiem, eles me fazem sentir grato. Você se sente grato? Mostre-o cuidando de si mesmo, sua saúde, seus relacionamentos, o mundo. Você se sente vigiado, oprimido? … Expresse sua alegria! Essa é a maneira de me elogiar.

Pare de complicar as coisas e repita como um papagaio o que eles lhe  ensinaram sobre mim.

A única coisa certa é que você está aqui, que está vivo, que este mundo está cheio de maravilhas. Por que você precisa de mais milagres? Por que tantas explicações?

Não procure por mim lá fora, você não vai me encontrar. Encontre-me por dentro … lá estou eu, batendo em você “.

Anand Dilvar

Tudo começou quando Albert Einstein foi interrogado por um telegrama do rabino Herbert S. Goldstein sobre se ele acreditava ou não na existência de Deus. Einstein respondeu:

“Eu acredito no Deus de Spinoza, que se revela bem em uma harmonia de que existe, não em um Deus que se preocupa com o destino e as ações dos seres humanos.”

Em uma entrevista publicada em 1930 no livro de  GS Viereck, Glimpses of the Great  , Einstein expandiu ainda mais sua explicação:

“Sua pergunta é a mais difícil do mundo. Não é algo que possa responder com um simples sim ou não. Eu não sou ateu. Não sei se posso me definir como panteísta. O problema em questão é muito vasto para nossas mentes limitadas. Posso responder com uma parábola? A mente humana, não importa quão treinada seja, não pode abranger o universo. Estamos na posição do menino que entra em uma enorme biblioteca com centenas de livros de diferentes idiomas. A criança sabe que alguém deve ter escrito esses livros. Ele não sabe como ou quem. Ele não entende as línguas em que esses livros foram escritos. A criança percebe um plano definido no arranjo dos livros, uma ordem misteriosa, que ele não entende, só suspeita. Essa, parece-me, é a atitude da mente humana, mesmo a maior e mais culta, em torno de Deus. Vemos um universo lindamente arranjado, que obedece a certas leis, mas mal entendemos essas leis. Nossas mentes limitadas não podem apreender a força misteriosa que move as constelações. Sou fascinado pelo panteísmo de Spinoza, porque ele é o primeiro filósofo que trata a alma e o corpo como se fossem a si mesmo, não duas coisas separadas “

Como é o Deus de Espinosa a que Einstein se refere?

Baruch Spinoza , nascido em 24 de novembro de 1642 como Benedito de Espinosa, era um filósofo holandês de origem judaica sefardita, considerada junto com Descartes e Leibniz um dos mais importantes filósofos racionalistas do Iluminismo, cujo impacto foi reconhecido após sua morte , ocorreu em 21 de fevereiro de 1677 com a idade de 44 anos. Seu trabalho mais notável é a  Ética demonstrada de acordo com a ordem geométrica,  publicados postumamente por seus amigos mais próximos e logo foi censurado pela Igreja Católica para incluir isso em seu  Index Librorum Prohibitorum .

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *