Ciência soluciona o mistério das “cobras voadoras”

A coisa é mais complexa do que pode parecer

O último estudo publicado pela Virginia Tech sobre cobras voadoras revelou um ponto-chave no processo. Com a tecnologia de captura de movimento e câmeras de alta velocidade em abundância, os pesquisadores criaram um modelo matemático tridimensional de voo de cobras que incorpora efeitos aerodinâmicos e inerciais.

Eles confirmaram que não é qualquer elemento que permite este voo, mas uma combinação da forma que as cobras fazem, a locomoção da cobra, e outros elementos que fazem o deslizamento funcionar. Este trabalho mostra “uma função diferente dos usos conhecidos de ondulação em outros animais” – que poderia ser usado para fazer novos robôs voadores dinâmicos!

Já houve uma pesquisa de cobras deslizantes financiada pelo relatório do governo dos EUA de novembro de 2010. Naquela época, foi realtado que o Departamento de Defesa dos EUA estava financiando pesquisadores da Virginia Tech, olhando para cinco espécies de cobras que podem “voar” – também conhecidas como queda com estilo. O biólogo da Virginia Tech Jake Socha estava à frente desse projeto em 2010.

cobras voadoras
Reprodução/Youtube

Os mesmos especialistas, em 2020, continuaram avaliando. Eles estudam cobras voadoras há mais de uma década. Na equipe que publicou este último relatório está Isaac J Yeaton, Shane D Ross, e Grant A Baumgardner também.

Este estudo mostra reconstruções do “corpo de asa” da cobra em movimento 3D. A ondulação aérea requer ondas horizontais e verticais “cujas fases diferem em 90 graus e cujas frequências diferem por um fator de dois”.

Agora assista a este vídeo de cobra voadora e veja o que está acontecendo. Ou o que está caindo… devagar.

Fonte: Slash Gear.

Leia também:

Martin Laurello, a Coruja Humana: homem podia virar a cabeça para trás

Homem guarda rocha por anos pensando que é ouro e descobre que é um meteorito

Os arqueólogos desenterraram um esqueleto antigo

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.